Vale a pena ser feliz

segunda-feira, 20 de julho de 2009

Liberdade às borboletas! Uma metáfora que vale a pena


Essas criaturinhas da natureza sempre despertaram os mais variados estilos dentro das artes. Pelas suas cores e leveza fazem o ser humano declinar-se sobre elas e se transportar para conceber imagens, devaneios e metáforas.
Eu as acho lindas... e por isso fiz um vídeo sobre elas.Clique no link abaixo para abrir.


http://rapidshare.com/files/258006168/Borboletas_atual.ppsx


A borboleta é o símbolo que mais encerra a idéia de feminilidade, da sensualidade efêmera da mulher. Mais do que isso é o símbolo do despertar da mulher, é o símbolo da transformação do ser humano. Na mitologia grega, a alma humana era representada por uma borboleta e dizia que, quando uma pessoa morria, sua alma escapava do corpo na forma de uma borboleta.

Tanto que, no grego antigo,psiché pode ser alma ou borboleta, simbolizando que a alma, por sair do casulo, faz-se renascer, o que representa novas etapas na vida, e liberdade para assumi-las. Muitas vezes, Psiché foi representada por uma imagem alada.


As pinturas que insinuam a metamorfose e mostram a transmutação da mulher dentro das borboletas ou com as borboletas são inúmeras. As asas destas borloletas-mulher concebem a esperança de um vir tornar-se, atravessando as suas prisões culturais para descobrir o gozo. Estes temas são próprios da contemporaneidade, de acordo com os ideais no nosso século. Veja a coleção de imagens abaixo ou clique no link embaixo da imagem.

Borboleta e mulher


http://picasaweb.google.com.br/ledavicter/BorboletaEMulher?feat=embedwebsite#slideshow/5360657571399709378



Existem muitas poesias com o tema das borboletas.Escolhi para este post uma poesia extraída do blog http://www.worldartfriends.com/modules/publisher/article.php?storyid=2473
que eu adorei pela simplicidade e o segredo que ela revela.Vê se concorda comigo?
Amor : Borboleta que voas...

Borboleta que voas,
que passas no meu jardim,
ensina-me a ser,
lagarta num dia,
no outro,
asas de florim.

Olha-me,
vê o meu coração,
verás que aqui não pertenço,
que aqui, sou apenas solidão,
faz-me voar,
esvoaçar,
abrir a asas,
e amar.
Aqui ferem-me as asas,
e por muito que tente voar,
sou depressa,
forçado a aterrar.

Não conheço porto, onde num voo apenas,
pudesse levantar,
e aí me despenhar;
sabendo,
que as asas poderiam quebrar,
pois não mais,
não mais precisaria voar.
filipe

Muitos filmes usaram a metáfora da borboleta. O filme "O Escafandro e a Borboleta" de Julian Schnabel é um dos filmes mais comoventes que já vi. O filme, baseado numa história real, narra os últimos anos de vida de um jornalista francês (Jean Dominique Bauby), editor da revista 'Elle') que sofreu um tipo de AVC, denominada síndrome do 'locked-in'. Poderia ser dito que é o "prisioneiro de si", "trancado em si mesmo", onde a vítima dessa síndrome vê, ouve e entende tudo a seu redor,mas não consegue falar e nem se movimentar. A pessoa fica trancada em seu corpo transformado no escafandro, de que faz alusão o título. Entretanto, o filme mostra que apesar disso, Bauby conseguiu ditar o livro(só com os olhos), o qual serviu de base para o roteiro do filme.

O filme é de uma mensagem libertadora, porque concentra o seu olhar na borboleta que permanece viva dentro do sujeito, e assim pode deixar voar sua imaginação. Ele encontra sua metamorfose e renasce para deixar sua biografia para seus familiares e amigos.

Às vezes, nós somos aprisionados por nossas crenças limitadoras, o nosso escafandro. É o medo de arricar sermos o que poderíamos via a ser. Soltar as borboletas é ter a ousadia de voar na plenitude dos sonhos, no renascimento que cada fase da vida nos impõe. Vamos deixar que a borboleta nos guie e que o escafandro não prenda nossa alma.

Também quero deixar um apanhado de vídeos relacionados a borboletas.



"Os deuses pintam borboletas", disse o poeta Alberto Costa e Silva. É preciso libertar-se do casulo. O artista sonha e, como os deuses,pinta borboletas.
Para conhecer a vida na sua plenitude é preciso desnudar-se e apresentar-se com o seu próprio segredo desnudado, onde a verdade surge como revelação,permitindo assim LIBERDADE ÀS BORBOLETAS!.

3 comentários:

Vv disse...

Oi ! Vi que vc está me acompanhando ! Que bacana !! Volte Sempre. Adorei o post das borboletas ... elas são bárbaras e se transformam ... acho isso uma poesia linda da NATUREZA. Um beijo, Vv.

iris_esfenoidal disse...

Agora é a minha vez de dar os parabéns pelo seu blogue. Adorei o post e o vídeo.

PS: obrigada pelo comment;)

Giane disse...

Oi, Leda!

Quando crianças as borboletas brincam ao nosso redor e as temos nas mãos. Quando crescemos, muitas vezes fugimos de medo delas e as admiramos a distância ou pior ainda: caçamos, prendemos e as matamos para em lembranças, voltarmos a admirá-las...

Beijos mil e Feliz Dia do Amigo!!!