Vale a pena ser feliz

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Ópera - Tcheca, Polonesa, Brasileira- Séc.XIX

Ópera Tcheca
Bedrich Smetana (1824 - 1884)Sua obra mais famosa é " O Moldava" (Vltava) do poema sinfônico "Minha Pátria" (Má Vlast). A maior parte da obra musical de Smetana é composta por peças de temática folclórica e nacionalista.

Notabilizou-se também como compositor de óperas, todas com libreto em checo, a saber: "Braniboři v Čechách (Brandemburgueses na Boêmia); Prodaná Nevěsta (A Noiva Vendida); Dalibor; Libuše; Dvě Vdovy (As Duas Viúvas); Hubička (O Beijo); Tajemství (O Segredo).

"A Noiva Vendida" foi considerada o protótipo da ópera folclórica e marcou Smetana como nacionalista, diante das críticas de que ele era mais wagneriano do que músico russo. Isso o irritou bastante, mas graças a essa ópera ele foi reconhecido como músico patriota.

A abertura é imensamente popular como peça de concerto e de alegria com os seus trinados que abrem o espetáculo de maneira irresistível.
"The Bartered Bride" ou "Prodaná Nevesta" ou " A Noiva Vendida" na sua abertura peça condução de
Mariss Jansons.





Da mesma ópera uma ária cantada por Lucia Popp.


Antonín Dvorák (1841 - 1904) foi um compositor checo do período romântico que usou nas suas obras muitas melodias populares da Morávia e da sua Boêmia natal. É um compositor com larga lista de composições muito bonitas e românticas.

No que se refere às óperas ele fez "King and Charcoal Burner" (Král a uhlíř); The Stubborn Lovers (Tvrdé palice); Vanda, 1875; The Cunning Peasant (Šelma sedlák);Dimitrij; The Jacobin; The Devil and Kate (Čert a Káča); Rusalka; Armida.

Após seis meses de ele ter completado sua comédia "Catarina e o Diabo", Dvorak anunciou que estava à procura de um novo libreto. Um jovem de 31 anos , Jaroslav Kvapil, lhe procurou com um texto pronto e assim foi feita Rusalka , cujo tema afastava-se muito dos temas populares em Praga na época.

Mas Rusalka é uma obra- prima de lirismo na história da ópera tcheca. A sua última ópera, Arminda, ele escolheu um libreto quase barroco, o que é bem curioso, tendo em vista as pressões para música nacionalista.

Rusalka


Ópera Polonesa
Stanislaw Moniuszko ( 1819 - 1872) foi um compositor polonês, autor de canções, operetas, balés e óperas da era romântica. Considerado o fundador da ópera nacional polaca.

Escreveu cerca de 20 óperas , entre as quais figuram Halka, Hrabina, Stranszny dwor, 6 missas, um Requiem, 4 Litanie ostrobramskie, cantatas, 270 melodias.
,Das suas óperas a mais famosa é Halka, cujo libreto de Wlodimiersz Wols, com base na história de K.W. Wojcicki.

Abertura de "Halka".


Esta ópera ele fez aos 25 anos, a qual conta a história da paixão de uma camponesa pelo proprietário das terras onde vive, que a abandona para casar-se com uma jovem de sua posição social. Halka, a camponesa, enlouquece, acabando por se afogar numa corredeira da montanha, perto da igreja onde se desenrola o casamento.

Ópera Brasileira
Antonio Carlos Gomes ( 1836 - 1896) Em 4 de setembro de 1861 vai à cena a primeira ópera de Carlos Gomes, ¨A Noite do Castelo¨, sob a regência do próprio compositor, com versos de Antonio José Fernandes dos Reis, baseados no poema homônimo de Antonio Feliciano de Castilho, no Teatro Lírico Fluminense.

Em 15 de setembro de 1863 estréia sua segunda ópera, ¨Joana de Flandres¨, no Teatro Lírico Nacional, sobre libreto original de Salvador de Mendonça. Já agraciado pelo Imperador com a Ordem da Rosa, e após grande êxito, Carlos Gomes recebe uma pensão para ir estudar na Europa.

Apresentação da ópera "Joanna de Flandres"


Em 8 de dezembro de 1863 partia para a Itália, com o objetivo de cursar o Conservatório de Milão. Entrou para a classe do Maestro e compositor operístico Lauro Rossi. Três anos depois, Carlos Gomes recebia o diploma de Maestro e Compositor.

Em 19 de março de 1870 estréia no Teatro Alla Sacla sua terceira ópera, a primeira escrita na Itália: ¨Il Guarany¨, baseada no romance homônimo de José de Alencar, com libreto inicial de Antonio Scalvini, terminando por Carlo d´Omerville, grande sucesso de crítica e público. Logo após sua estréia, foi encenada em todas as principais capitais européias. Por esse sucesso, recebe o título de Cavaleiro da Ordem da Coroa.

Em agosto desse ano retorna ao Brasil. No Rio de Janeiro é recebido como herói, ovacionado publicamente. Organiza então, a estréia nacional do ¨Il Guarany¨, levada a efeito no Teatro Lírico Fluminense a 02 de dezembro de 1870.

Trecho da ópera " O Guarani", cantada por Elis Regina.


Sergio Chnee e Orquestra Petrobrás Sinfônica -- Abertura da Ópera "O Guarani" --


Adriane Queiroz e Richard Bauer cantando o dueto "Sento una forza indomita" do 1º Ato de "Il Guarany", de Carlos Gomes. Regência : Roberto Duarte - Belém - 2007


Segunda parte do bailado do 3º Ato de Il Guarany, de Carlos Gomes. Coreografia : Ana Unger - Regência : Roberto Duarte - Belém - 2007


Em 16 de fevereiro de 1873, no Teatro Alla Scala de Milão, estréia a ópera ¨Fosca¨, com libreto de Antonio Ghislanzoni, tendo obtido um sucesso menor.

O dueto da ópera "Fosca".


Em 21 de março de 1874 estréia no Teatro Carlo Felice de Gênova sua ópera Salvator Rosa e em 27 de março de 1879, no Teatreo Alla Scala de Milão sua ópera Maria Tudor.

Soprano Eliane Coelho canta a ária "O miei notti d'amor" da ópera "Maria Tudor", em Viena,2006.


Da ópera "Maria Tudor", o Finale do Atto II "Vendetta! Vendetta! Vendetta!", com Eliane Coelho (Maria Tudor) The Sofia National Opera Orchestra & Chorus Luiz Fernando Malheiro.Ver no link abaixo.

http://www.youtube.com/watch?v=rZb9Xos6SRY

Em 1880, de volta ao Brasil, dirige na Bahia, as encenações de ¨Il Guarany¨ e ¨Salvator Rosa¨, logo em seguida tendo ido ao Rio de Janeiro com os mesmo propósitos e realizações.

Nesse ano, ainda na Bahia, faz apresentar a estréia de seu ¨Hino à Camões¨, realizada no Teatro São José.

Em novembro desse mesmo ano retorna à Itália e lá permanece por dois anos, trabalhando febrilmente em vários libretto, os quais jamis serão terminados.

Volta novamente ao Brasil em 1882 e, a partir de então, passa a viver parte do tempo em seu país natal e parte no seu país de adoção e glórias. Nesse ano realiza uma execução pelo norte do país com muito sucesso.

A 7 de setembro nasce sua filha Ítala Maria, que irá escrever sua biografia. Em 1883 inicia a composição da ópera ¨Lo Schiavo¨, com libreto de Rodolfo Paravicini, a qual estréia no Teatro Lírico do Rio de Janeiro, sob o patrocínio da Princesa Isabel (a quem é dedicada) a 27 de setembro de 1889.

"Alvorada", música brasileira no alvorecer do séc.XX de Antônio Carlos Gomes, abertura da ópera Lo schiavo (O escravo), baseada numa história do Visconde de Taunay, com libreto de Rodolfo Paravici.


Com a proclamação da República, a 15 de novembro desse ano, Antonio Carlos Gomes perde o apoio oficial que sempre obteve do Imperador Pedro II e, também a esperança de tornar-se diretor do Conservatório de Música do Rio de Janeiro, devendo, por isso, ter de retornar a Milão a fim de, conseguindo novas encomendas, tentar acertar as suas já inúmeras dificuldades financeiras.

Doente e em situação financeira muito delicada, escreve seu último trabalho completo, o que ele próprio chamou Poema Vocal Sinfônico denominado ¨Colombo¨, um oratório em quatro partes para coro, solistas e orquestra, escrito para comemorar em 1892, o quarto centenário do descobrimento da América, sobre o poema de Albino Falanca.

Em 1894 recebe uma proposta de trabalhar pelo novo governo brasileiro republicano que concorda em lhe pagar 20000 libras, pela composição do Hino da República. Dizendo-se fiel ao Imperador deposto, e sobretudo, monarquista, recusa e não recebe o dinheiro.

Falece aos 60 anos, vitimado pelo tumor maligno, em 16 de setembro de 1896. Os funerais foram grandiosos.

Levic

Um comentário:

Vv disse...

Nossa ! Que bárbaro tantas informações sobre as Óperas !! Adorei ! Bjs, Vivi.